Menu de Acesso Rápido:
Mapa do Site
Buscar em Todo Site:
 
  Principal Página Principal Terça Feira, 22 de Julho de 2014  

  Bem vindo ao Cartório 1º Ofício de Notas de Pedro Leopoldo - Marques e Souza

Reserva legal – averbação. Lei nº 12.651/2012

IRIB Responde - Reserva legal – averbação. Lei nº 12.651/2012

Questão esclarece acerca de averbação de reserva legal.


O Boletim Eletrônico do IRIB traz, nesta edição, consulta formulada acerca da exigibilidade da averbação de reserva legal, tendo em vista a publicação da Lei nº 12.651/2012. Confira como a Consultoria do IRIB se manifestou sobre o assunto, valendo-se dos ensinamentos de Maria Aparecida Bianchin Pacheco:

Pergunta
Com a publicação da Lei nº 12.651/2012, gostaria de saber se o Cartório de Registro de Imóveis deverá continuar a exigir a prévia averbação da reserva legal?

Resposta
Assim se manifestou Maria Aparecida Bianchin Pacheco, em pequeno trecho extraído de artigo intitulado “REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL” reproduzido no Boletim Eletrônico do IRIB nº 4163, de 15/05/2012 (http://www.irib.org.br/boletim/2012/maio/downloads/4163-opiniao.pdf):

“No que tange a Reserva Legal, estabelece que a mesma deverá ser registrada no órgão ambiental competente por meio de inscrição no Cadastro Ambiental Rural – CAR, sendo vedada a alteração de sua destinação, nos casos de transmissão, a qualquer título, ou de desmembramento, comportando exceções previstas no próprio texto. O registro da Reserva Legal no CAR desobriga a averbação no Registro de Imóveis, mas não impede que a mesma ocorra, vez que a possibilidade de sua averbação na matrícula, continua expressamente consignada no art. 167, II, 22, da Lei nº 6.015/73, e mesmo que tal previsão fosse expressamente revogada, ainda assim se poderia averbar a Reserva Legal, por ser pacífico no meio registrário brasileiro, a possibilidade de se dar publicidade de ocorrências que visem a tutela ambiental, por meio de averbação na matrícula, por se entender como meramente exemplificativo o rol de atos de averbação a serem praticados pelo Registro Imobiliário, previstos na Lei de Registros Públicos.

Ademais, o texto legal apresenta várias disposições relacionadas à redução e/ou ampliação das áreas de Reserva Legal, que necessariamente deverão continuar sendo averbadas na matrícula do imóvel rural, como condição para assegurar ao proprietário rural que mantiver reserva legal conservada e averbada em área superior aos percentuais exigidos, a possibilidade de instituição de Servidão Ambiental sobre a área excedente, e Cota de Reserva Ambiental, como veremos mais adiante.

Assim, parece que o verdadeiro intuito da alteração que desobriga a averbação da Reserva Legal no Registro de Imóveis, é eximir o proprietário de imóvel rural das sanções impostas pela infração administrativa contra o meio ambiente, tipificada no Decreto Federal nº 6.514, de 22 de julho de 2008, nos seguintes termos:

‘Art. 55. Deixar de averbar a reserva legal:

Multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais).

§ 1º No ato da lavratura do auto de infração, o agente autuante assinará prazo de sessenta a noventa dias para o autuado promover o protocolo da solicitação administrativa visando à efetiva averbação da reserva legal junto ao órgão ambiental competente, sob pena de multa diária de R$ 50,00 (cinqüenta reais) a R$ 500,00 (quinhentos reais) por hectare ou fração da área da reserva.

§ 2º Haverá a suspensão da aplicação da multa diária no interregno entre a data do protocolo da solicitação administrativa perante o órgão ambiental competente e trinta dias após seu deferimento, quando será reiniciado o cômputo da multa diária’.

É que o mencionado decreto, nas disposições finais, previu que dito artigo só entraria em vigor cento e oitenta dias após a sua publicação. A sua publicação ocorreu em 23 de julho de 2008, então entraria em vigor em 23 de janeiro de 2009, no entanto, dito prazo foi prorrogado por sucessivas vezes, e ainda não se encontra em vigência.

Nesse sentido, o art. 14, §2º, ao prever que, protocolada a documentação exigida para análise de localização da área de Reserva Legal, ao proprietário ou possuidor não poderá ser imputada sanção administrativa, inclusive restrição a direitos, em razão da não formalização da área de Reserva Legal.”

Finalizando, recomendamos sejam consultadas as Normas de Serviço da Corregedoria-Geral da Justiça, a jurisprudência e a legislação de seu Estado, para que não se verifique entendimento contrário ao nosso. Havendo divergência, sugerimos obediência às referidas Normas, bem como a orientação legal e jurisprudencial local.

 Fonte:  Fonte: Boletim Eletrônico do IRIB - Nº 4170 -

Outras Notícias

 Data:  11/07/2012

Hoje, com a abrangência da internet, facilitadora na busca de informações de qualquer natureza, a qual transpõe o tempo e a distância, os cartórios também devem estar nessa linha de desenvolvimento.

Isto porque se o Cartório é substancial ao registro e armazenamento de dados civis, patrimoniais, empresariais e outros,  concedendo-lhes publicidade, segurança e outras prerrogativas, deve também propiciar a proximidade do usuário aos atos que lhe interessam.

Portanto, este é o objetivo do site do Cartório Marques e Souza: Aproximar a “Informação Precisa” ao usuário, através de orientação e informação “de qualidade”, o que lhe é peculiar, sobre as formas e circunstâncias dos atos a serem lavrados.

Rua Dr. Herbster, 298 - Loja 7 - Centro - Pedro Leopoldo - MG - CEP 33.600-000 Telefax: (0xx31) 3661.3022 E-mail: cartorio@1cartoriopl.com.br
Horário de Funcionamento:
Segunda a Sexta-Feira das 09:00 às 17:00

 Home Cartório

 Acesso WebMail

 Administração

Copyright ?2014. Todos os direitos reservados ao
Cartório 1º Ofício de Notas de Pedro Leopoldo

moncler outlet louis vuitton outlet louis vuitton uk louis vuitton uk moncler outlet uk louis vuitton cheap nike air max cheap